Lígia, 24 anos. A pior hora é quando eu lembro que tenho que entrar aqui e atualizar esse número mais uma vez.

Contato/MSN: ligiamelia@hotmail.com

Alquimia do Verbo

Onomatopéia

One Last Run

Um pouco de bossa

Tutameia em Prosa

Amarelo Banana

Champ Vinyl

Champ Chronicles

Me Exorcisa

O Vale de uma Boneca

Isshou

Carolina Villenflusser

Manual do Cafajeste

Te Dou Um Dado

 

I.Recebi um dia desses um release falando sobre um...

Uma coisa que eu nunca encontrei foi o fundo do po...

Ela entrou no ônibus e sentou na primeira cadeira,...

Assim como Lennon tinha McCartney e vice-versa, en...

Depois de velha, resolveu aprender a ser boba e se...

Eu sempre tive uma relação íntima com o frio. Qua...

Ela: Será que já está chegando?A Outra: Deve ser p...

Não sei. Mas acho que algumas pessoas têm um cert...

Às vezes, a única coisa que a felicidade exige de ...

Abra a janela do seu quarto, ponha a cabeça para f...

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Setembro 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

Março 2008

Abril 2008

Maio 2008

Junho 2008

Julho 2008

Agosto 2008

Setembro 2008

Outubro 2008

Novembro 2008

*sexta-feira, 6 de julho de 2007

Diferente do meu tempo, o ônibus não veio com o letreiro "Cidade Universitária". Agora era "USP". Talvez pra enconomizar caracteres.

Meu tempo... fazia um ano e meio só. Eu lembro como se fosse hoje do dia que tranquei minha matrícula. Até o tênis que eu usava. Era um all star novo que, até eu voltar para casa, meu causou um calo que eu levo comigo até hoje. Eu sentei no primeiro banco do ônibus. Vazio, apesar de já estarmos no início do semestre. Para mim, era a época que eu ainda me dava ao luxo de passar uma tarde no prédio de História e Geografia, sem fazer nada, só para rever os amigos e contar a notícia. Tranquei a matrícula. Dei tchau e fui embora.

Um ano e meio passou. Com pressa. E eu, por algum motivo obscuro, resolvi voltar.

Além do novo nome, ele estava mais generoso agora. Não passava mais a cada eternidade mas, como indicava o painel do Terminal Lapa (sim, porque agora ele não se dava mais ao travalho de ir até a Barra Funda), de 20 em 20 minutos. Levei uma amiga, pra não ir sozinha. Medo. Ele passou em 20 minutos mesmo, fiquei supresa. Pouco antes, zombara do painel eletrônico que se ria dos incautos passageiros. Subi no ônibus. O medo.

Em 2003, tudo parecia mais simples. Animação, trote, os novos colegas, os novos professores. Hoje, sobrara só a apreensão. Todos os colegas, agora velhos, já se preparavam para o mestrado. Eu só conheci nerds na USP. Nerds adoráveis, que fique claro. Uma menina me encontrou na fila da seção de alunos e, feliz, me disse: "Que bom, alguém do nosso ano!". Medo.

Me matriculei em duas disciplinas. Segunda e quarta a noite, estarei lá todas as semanas. Muito medo.

É muito esquisito pois, de certa forma, nunca me encontrei naquele lugar mas, por outro lado, é difícil se ver livre dele.

Peguei o ônibus de volta. Alvarenga, Panamericana, São Gualter, Pio XI, Tito, Clélia. Como em 2003 ou 2004. Até um livro trazia na mão, o velho hábito. Mas era para uma prova na Cásper.

Sorte que o segundo semestre para os alunos da História só começa em setembro.

Quem sabe consigo me adaptar à idéia.


por Amelie às 09:37 | 11 comentários

____________________________________________________