Lígia, 24 anos. A pior hora é quando eu lembro que tenho que entrar aqui e atualizar esse número mais uma vez.

Contato/MSN: ligiamelia@hotmail.com

Alquimia do Verbo

Onomatopéia

One Last Run

Um pouco de bossa

Tutameia em Prosa

Amarelo Banana

Champ Vinyl

Champ Chronicles

Me Exorcisa

O Vale de uma Boneca

Isshou

Carolina Villenflusser

Manual do Cafajeste

Te Dou Um Dado

 

O saco de ir embora é que tudo é pela última vez. ...

Da série coisas que eu comprei sem precisar com d...

Peraí, como assim? Explica isso melhor!

Levanta às 5h30. Se arruma. Vai pra a auto escola....

Cheirinho Acho que nunca mais vou lavar meu casaco...

O meu amor Tem um jeito manso que é só seu E que m...

A Nati ex-Paty Maionese me mandou uma brincadeirin...

Só pra lembrar que eu odeio carros, não tenho a me...

CFC Cerca de 40% das pessoas que prestam o exame ...

Eu anunciei, no começo deste ano, que o fim dos di...

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Setembro 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

Março 2008

Abril 2008

Maio 2008

Junho 2008

Julho 2008

Agosto 2008

Setembro 2008

Outubro 2008

Novembro 2008

*terça-feira, 29 de maio de 2007

Depois de velha, resolveu aprender a ser boba e se apaixonou pelo moço que segurava seus livros no ônibus. Por alguns momentos, esqueceu todas as suas outras grandes paixões.

Naqueles trinta minutos, ele era só dela. Os lábios delicados, contrastando com a barba áspera, eram todos, só dela. Os olhos azuis e, - quem diria - os cabelos loiros e finos, cobrindo de leve a testa, eram só dela. As mãos grandes, porém finas, os dedos, tudo, tudo, era só dela.

Numa esquina da Lapa se conheceram, na altura da PUC se apaixonaram. Ao alcançar a Dr. Arnaldo, já eram um casal feliz na espera pelo primeiro filho. Era uma menina, e ia se chamar Luíza.

Na Av. Paulista, se separaram, quando o moço acordou de seu sono aparentemente profundo, se levantou e seguiu o destino de nunca mais se verem.

Ela também seguiu seu rumo. E, provavelmente, nem mesmo se lembrará mais dele até o final do dia.


por Amelie às 08:19 | 5 comentários

____________________________________________________

*segunda-feira, 7 de maio de 2007

Eu sempre tive uma relação íntima com o frio.

Quando eu era pequena, era a oportunidade pra colocar meu pijama macacão de flanela e ouvir meu pai cantar "quem bate???? é o friiiiiio! não adianta bater, que eu não deixo você entrar...". O inverno era a época mais legal. Tempo de colocar os gorros e cachecóis mais divertidos, tomar chá e vestir os casacos mais legais.

De lá pra cá, a lua-de-mel acabou, e eu e o inverno vivemos entre tapas e beijos. Às vezes, as baixas temperaturas me trazem o aconchego, às vezes, a melancolia.

Às vezes, é duro acordar de manhã e sentir o vento gelado entrando pela janela. Às vezes, o pior nem é o frio, mas toda a tristeza que parece chegar junto com o final do outono.

Mas, este ano, acolho o inverno de braços abertos. É que, como a saudade é um dos principais ingredientes do amor, depois de todos esses meses de calor, eu não via a hora de colocar uma meia de lã e dormir em baixo de três cobertores.

Hoje eu estava curtindo os 18° graus que marcava o termômetro que dava da janela do restaurante na hora do almoço, e me bateu que algumas músicas são perfeitas para se ouvir no inverno. Aliás, todas essas músicas que eu vou citar caberiam em uma frase terminada no "perfeita". Mas no inverno, elas ficam mais do que perfeitas.

Vou fazer um top 5, mas que fique bem claro que a intenção não foi copiar nenhum blogueiro por aí. É que enfim, elas vieram num bloco de cinco, o que se vai fazer?

1 - Because - Beatles
2 - Nem um Dia - Djavan
3 - O Mundo é um Moinho - Cartola
4 - London, London - Caetano Veloso
5 - Sinal Fechado - Paulinho da Viola

Agora, licença, que a chaleira está apitando.


por Amelie às 22:16 | 13 comentários

____________________________________________________

*domingo, 6 de maio de 2007

Ela: Será que já está chegando?
A Outra: Deve ser perto daquela bola vermelha.
Ela: Aquilo é a Lua!
A Outra: Que Lua, não viaja, deve ser um enfeite.
Ela: Hmmm... é verdade, deve ser...
.
.
.
.
Ele: Caralho, não chega nunca.
A Outra: Relaxa, tá chegando olha, deve ser perto daquela boa vemelha!
Ele: Aquela bola vermelha é a Lua, sua retardada!
A Outra: Caralho! É a Lua!
Ela: Viu? Eu disse que era a Lua!!!


por Amelie às 21:04 | 6 comentários

____________________________________________________

*quarta-feira, 2 de maio de 2007

Não sei.

Mas acho que algumas pessoas têm um certo balangandã que eu não tenho.


por Amelie às 19:08 | 8 comentários

____________________________________________________