Lígia, 24 anos. A pior hora é quando eu lembro que tenho que entrar aqui e atualizar esse número mais uma vez.

Contato/MSN: ligiamelia@hotmail.com

Alquimia do Verbo

Onomatopéia

One Last Run

Um pouco de bossa

Tutameia em Prosa

Amarelo Banana

Champ Vinyl

Champ Chronicles

Me Exorcisa

O Vale de uma Boneca

Isshou

Carolina Villenflusser

Manual do Cafajeste

Te Dou Um Dado

 

O saco de ir embora é que tudo é pela última vez. ...

Da série coisas que eu comprei sem precisar com d...

Peraí, como assim? Explica isso melhor!

Levanta às 5h30. Se arruma. Vai pra a auto escola....

Cheirinho Acho que nunca mais vou lavar meu casaco...

O meu amor Tem um jeito manso que é só seu E que m...

A Nati ex-Paty Maionese me mandou uma brincadeirin...

Só pra lembrar que eu odeio carros, não tenho a me...

CFC Cerca de 40% das pessoas que prestam o exame ...

Eu anunciei, no começo deste ano, que o fim dos di...

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Setembro 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

Março 2008

Abril 2008

Maio 2008

Junho 2008

Julho 2008

Agosto 2008

Setembro 2008

Outubro 2008

Novembro 2008

*segunda-feira, 30 de outubro de 2006

Esse blog está em recesso até eu resolver minha vidinha.
Pode ser que demore bastante...


por Amelie às 11:12 | 2 comentários

____________________________________________________

*domingo, 22 de outubro de 2006

Eu nasci na primavera, a mais adorável das estações do ano. Numa família razoavelmente sem problemas e, excetuando-se o de sempre - dinheiro, ou a falta dele - eu não tenho quase nenhuma reclamação. Levando em consideração que tem muita gente que considera a família o pior dos pesadelos, acredito que me dei bem. Nunca fui a mais bonita das meninas da minha turma, nem a mais inteligente - mas de burra ou feia ninguém pode me chamar. Consegui, excluindo-se novamente as coisas de que se necessita dinheiro para obter, quase tudo que quis. Nunca tive muitos amigos, mas os que tive - ou a maioria deles, porque cruzei com uns belos de uns filhos da puta - foram e continuam sendo da melhor espécie que alguém pode querer. Tirando uma alergia aqui ou ali, sempre tive saúde - é piegas dizer isso, mas ter saúde é uma beleza! Sempre tive sorte em tudo. Sou daquele tipo de pessoa que até quanto tem azar, tem sorte - se algo não acontece da forma como eu queria, depois eu sempre percebo como foi melhor. Enfim, posso dizer que, se eu pudesse escolher como seria minha vida, pouca coisa eu teria a mudar. Não, eu teria muitas coisas. Mas isso não quer dizer que eu não esteja satisfeita.

Este post é para servir como um mantra, pra quando aquela única coisinha que não me deixa ser completamente feliz vem infernizar minha cabeça.


por Amelie às 19:11 | 2 comentários

____________________________________________________

*quinta-feira, 19 de outubro de 2006

Será que dá pra desligar a montanha russa que eu quero descer???


por Amelie às 22:58 | 3 comentários

____________________________________________________

*quinta-feira, 12 de outubro de 2006

Hoje o dia amanheceu com cara de Natal. O calor sem sol e chuvinha fraca de todos os Natais no sítio da minha tia. O cheirinho de chuva misturado com mato de Natal. As ruas tranquilas, mas paradoxalmente movimentadas de famílias para lá e para cá. No mercado, pessoas comprando refrigerante, cerveja, bolo, goloseimas e até um senhor comprando um chester e um tender. De Natal. O tédio de Natal.

A melhor coisa de ficar velho são as lembranças. Ao sentir esse cheirinho de Natal, me senti como Proust comendo uma madalena mergulhada no chá.

Olhei na folhinha três vezes para me certificar de que estamos em outubro.

Hoje o dia amanheceu natalino. Ou vai ver é o meu estado de espírito.


por Amelie às 13:33 | 3 comentários

____________________________________________________

*quinta-feira, 5 de outubro de 2006

E então que eu, ao chegar no prédio da costureira que ficou de arrumar uma calça para mim, leio a seguinte mensagem colada na porta de entrada:

"Será que é tão difícil fechar essa porta? Ou será que teremos que contratar um porteiro e dividir os gastos? Ontem um travesti pelado invadiu o prédio"

Se eu morasse lá, nunca mais ia fechar a porta.


por Amelie às 21:25 | 2 comentários

____________________________________________________