Lígia, 24 anos. A pior hora é quando eu lembro que tenho que entrar aqui e atualizar esse número mais uma vez.

Contato/MSN: ligiamelia@hotmail.com

Alquimia do Verbo

Onomatopéia

One Last Run

Um pouco de bossa

Tutameia em Prosa

Amarelo Banana

Champ Vinyl

Champ Chronicles

Me Exorcisa

O Vale de uma Boneca

Isshou

Carolina Villenflusser

Manual do Cafajeste

Te Dou Um Dado

 

O saco de ir embora é que tudo é pela última vez. ...

Da série coisas que eu comprei sem precisar com d...

Peraí, como assim? Explica isso melhor!

Levanta às 5h30. Se arruma. Vai pra a auto escola....

Cheirinho Acho que nunca mais vou lavar meu casaco...

O meu amor Tem um jeito manso que é só seu E que m...

A Nati ex-Paty Maionese me mandou uma brincadeirin...

Só pra lembrar que eu odeio carros, não tenho a me...

CFC Cerca de 40% das pessoas que prestam o exame ...

Eu anunciei, no começo deste ano, que o fim dos di...

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Setembro 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

Março 2008

Abril 2008

Maio 2008

Junho 2008

Julho 2008

Agosto 2008

Setembro 2008

Outubro 2008

Novembro 2008

*quinta-feira, 29 de novembro de 2007

6 anos. Não sei. Mas, para mim, as pessoas não morrem enquanto houver quem se lembre delas.



por Amelie às 08:00 | 5 comentários

____________________________________________________

*quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Ele era todo bonitinho. Adminito que no começo não achei, e imagino que muitos dos que eu conheço não devem achar. Mas ele era. No começo, cogitei até que fosse feio. Mas era todo, todo bonitinho.

Os olhos. Não eram claros, nem escuros, e mudavam um pouquinho de cor dependendo da luz. Redondinhos. Tão bonitinhos que dava vontade de olhar por meia, uma hora, que não cansava, de tão bonitinhos.

O nariz, um pouquinho sardento, mas que bonitinho. Um aperto, uma mordida, nunca seria sufciente, pequenininho. Vontade de não parar de morder, de tão bonitinho.

A boca, que formava um biquinho. Biquinho igual de criança, que era. Bonitinho como aquelas coisas que a gente não se contenta de ver com os olhos. Daquelas que a gente tem que por a mão pra se contentar, o biquinho.

O cabelo com cachinhos tímidos que enrolam nos dedos. Macio. Vontade de perder os dedos de tão bonitinho, na testa. O cabelo de perder horas e horas só no cabelo. Tão macio, o cheirinho.

Beijar sem ter que ficar nas pontas dos pés.

Mas já passou.


por Amelie às 19:15 | 5 comentários

____________________________________________________

*quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Aí é que você percebe que algo não está nada bem...

Desliguei o monitor - mas deixei o computador ligado -, troquei de roupa, coloquei os chinelos, arrumei porcamente os cabelos. Fucei todas os bolsinhos de todas as bolsas e catei todas as moedinhas, até as enjeitadas de um centavo.

Peguei as chaves, desci dois lances de escada, andrei três quarteirões e entrei na doceira. Meus olhos sabiam o que procuravam: Hersheys Cookies n' cream. Só este faz efeito. R$3,79, paguei, andei os três quarteirões e subi as escadas.

Tirei os chinelos, coloquei meu pijama de pinguim, liguei a TV e comi tudo de uma vez, enquanto assistia um episódio de Friends.


por Amelie às 20:10 | 7 comentários

____________________________________________________

*sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Mas, onde é bobice a qualquer resposta, é aí que a pergunta se pergunta. Por que foi que eu conheci aquele Menino? O senhor não conheceu, compadre meu Quelemém não conheceu, milhões de milhares de pessoas não conheceram. O senhor pense outra vez, repense o bem pensado: para que foi que eu tive de atravessar o rio, defronte com o Menino? O São Francisco cabe sempre aí, capaz, passa. O Chapadão é em sobre longe, beira até Goiás, extrema. Os gerais desentendem de tempo. Sonhação — acho que eu tinha de aprender a estar alegre e triste juntamente, depois, nas vezes em que no Menino pensava, eu acho que. Mas, para que? por que?

João Guimarães Rosa. Grande Sertão: Veredas.

gostando cada dia mais.


por Amelie às 23:37 | 4 comentários

____________________________________________________