Lígia, 24 anos. A pior hora é quando eu lembro que tenho que entrar aqui e atualizar esse número mais uma vez.

Contato/MSN: ligiamelia@hotmail.com

Alquimia do Verbo

Onomatopéia

One Last Run

Um pouco de bossa

Tutameia em Prosa

Amarelo Banana

Champ Vinyl

Champ Chronicles

Me Exorcisa

O Vale de uma Boneca

Isshou

Carolina Villenflusser

Manual do Cafajeste

Te Dou Um Dado

 

Aí é que você percebe que algo não está nada bem.....

Mas, onde é bobice a qualquer resposta, é aí que a...

Cansei.E nem foi do caosaéreo.

A lembrança da vida da gente se guarda em trechos ...

Existem coisas que, por mais que estejam bem na pa...

Complexo de idosa super extra master blaster. Fin...

Tem dias que a gente se sente Como quem partiu ou ...

Daí, de repente, eu parei. E descobri que, talvez...

Querido diário... Hoje acordei com preguiça de ir ...

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Setembro 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

Março 2008

Abril 2008

Maio 2008

Junho 2008

Julho 2008

Agosto 2008

Setembro 2008

Outubro 2008

Novembro 2008

*quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Ele era todo bonitinho. Adminito que no começo não achei, e imagino que muitos dos que eu conheço não devem achar. Mas ele era. No começo, cogitei até que fosse feio. Mas era todo, todo bonitinho.

Os olhos. Não eram claros, nem escuros, e mudavam um pouquinho de cor dependendo da luz. Redondinhos. Tão bonitinhos que dava vontade de olhar por meia, uma hora, que não cansava, de tão bonitinhos.

O nariz, um pouquinho sardento, mas que bonitinho. Um aperto, uma mordida, nunca seria sufciente, pequenininho. Vontade de não parar de morder, de tão bonitinho.

A boca, que formava um biquinho. Biquinho igual de criança, que era. Bonitinho como aquelas coisas que a gente não se contenta de ver com os olhos. Daquelas que a gente tem que por a mão pra se contentar, o biquinho.

O cabelo com cachinhos tímidos que enrolam nos dedos. Macio. Vontade de perder os dedos de tão bonitinho, na testa. O cabelo de perder horas e horas só no cabelo. Tão macio, o cheirinho.

Beijar sem ter que ficar nas pontas dos pés.

Mas já passou.


por Amelie às 19:15 | 5 comentários

____________________________________________________