Lígia, 24 anos. A pior hora é quando eu lembro que tenho que entrar aqui e atualizar esse número mais uma vez.

Contato/MSN: ligiamelia@hotmail.com

Alquimia do Verbo

Onomatopéia

One Last Run

Um pouco de bossa

Tutameia em Prosa

Amarelo Banana

Champ Vinyl

Champ Chronicles

Me Exorcisa

O Vale de uma Boneca

Isshou

Carolina Villenflusser

Manual do Cafajeste

Te Dou Um Dado

 

Daí, de repente, eu parei. E descobri que, talvez...

Querido diário... Hoje acordei com preguiça de ir ...

Meu blog é o quinto ou sexto resultado no google q...

Quem diria que um dos finais de semana mais legais...

Tauane tem onze anos, apesar de não aparentar mais...

Pequeno dicionário Veja de palavras ofensivas Ma...

A infanticida Marie Farrar Bertold Brecht 1 Mari...

Ontem eu peguei ônibus com o Manoel Carlos. Verdad...

"Vou te passar as informações por e-mail, você pod...

Estou farto do lirismo comedido do lirismo comport...

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Setembro 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

Março 2008

Abril 2008

Maio 2008

Junho 2008

Julho 2008

Agosto 2008

Setembro 2008

Outubro 2008

Novembro 2008

*quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Tem dias que a gente se sente
Como quem partiu ou morreu
A gente estancou de repente
Ou foi o mundo então que cresceu
A gente quer ter voz ativa
No nosso destino mandar
Mas eis que chega a roda-viva
E carrega o destino pra lá
Roda mundo, roda-gigante
Roda-moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração

A gente vai contra a corrente
Até não poder resistir
Na volta do barco é que sente
O quanto deixou de cumprir
Faz tempo que a gente cultiva
A mais linda roseira que há
Mas eis que chega a roda-viva
E carrega a roseira pra lá

A roda da saia, a mulata
Não quer mais rodar, não senhor
Não posso fazer serenata
A roda de samba acabou
A gente toma a iniciativa
Viola na rua, a cantar
Mas eis que chega a roda-viva
E carrega a viola pra lá

O samba, a viola, a roseira
Um dia a fogueira queimou
Foi tudo ilusão passageira
Que a brisa primeira levou
No peito a saudade cativa
Faz força pro tempo parar
Mas eis que chega a roda-viva
E carrega a saudade pra lá


por Amelie às 20:43 | 3 comentários

____________________________________________________