Lígia, 24 anos. A pior hora é quando eu lembro que tenho que entrar aqui e atualizar esse número mais uma vez.

Contato/MSN: ligiamelia@hotmail.com

Alquimia do Verbo

Onomatopéia

One Last Run

Um pouco de bossa

Tutameia em Prosa

Amarelo Banana

Champ Vinyl

Champ Chronicles

Me Exorcisa

O Vale de uma Boneca

Isshou

Carolina Villenflusser

Manual do Cafajeste

Te Dou Um Dado

 

- Consegui um estágio novo. Quero sair.- Você fica...

Le Fabuleux destin d'Amelie Bonfant - Sabe aquelas...

Ela mente, ela não ouve as pessoas, ela é egoísta....

Saiu de casa. Não se arrumou além do normal, mas s...

Apenas duas coisas têm me dado algum prazer nestas...

Quando o inverno está lá, lá longe, é fácil achar ...

Layout novo... que meeedo de dar caca! Hahahahaha!...

Fragmentos que nunca conseguiram o status de post....

Há muito tempo que eu não terminava um ano com aqu...

Eu sempre gostei muito da música "Octopus's Garden...

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Setembro 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

Março 2008

Abril 2008

Maio 2008

Junho 2008

Julho 2008

Agosto 2008

Setembro 2008

Outubro 2008

Novembro 2008

*domingo, 21 de janeiro de 2007

Aquele tal de Cícero não-sei-das-quantas, que pode estar na cratera no Metrô era conhecido meu e dos meus pais. Era uma figurinha fácil da Alfonso Bovero e região, na Pompéia. Eu morei perto, na rua Caraibas, até os 12 anos. Hoje eu estava conversando com a minha mãe sobre ele, e começamos a lembrar coisas de quando morávamos por lá. Daí a gente percebeu o tanto de coisa que mudou de lá pra cá...

Eu ainda sou do tempo em que se comprava leite em saquinho e escolhia se queria A, B ou C. Lembro que uma vez eu fui comprar um saquinho para a minha mãe e derrubei todo no chão da sala. Lembro também que, na época que meu pai estava desempregado, a gente só comprava leite C. Eu ainda sou do tempo em que se ouvia disco de vinil. Eu tinha vários discos e existia uns que eram coloridos, e também uns que eram menores. Mas o meu pai nunca deixava eu mexer na vitrola para nãoe estragar a agulha. Eu era do tempo em que os ônibus de São Paulo eram marrons (marrons?) e a gente subia por trás e descia pela frente. Isso foi um pouco antes da estação Ponte Pequena do Metrô virar Armênia.

Eu sou do tempo em que Aids era novidade, e se discutia na televisão o uso da camisinha. Um cara perguntava para o outro nas mesas redondas "você usa camisinha?", e eu ficava imaginando o que podia ser aquilo. Uma camiseta pequena? Eu era do tempo que era chique ter interfone, e quando eu chegava da escola gritava: "Mãããããe, joga a chave!". Neste tempo ter telefone também era tão fácil quanto hoje. A gente não tinha. A minha avó tinha, e era daqueles em que a gente tinha que discar. Eu adorava discar o 9 e ver o disco voltar.

Eu sou do tempo que televisão não tinha controle remoto, e para mudar de canal a gente tinha que rodar um botão. As televisões também tinham uma portinha, que abria pra regular várias coisas, como a sintonia fina. E não tinha cento e tantos canais que nem hoje, tinha só 13. E os canais não eram 24 horas. Eu acodava e ficava olhando para as listinhas coloridas e o reloginho no canto da tela até começar o Telecurso 2000. Na minha época ainda tinha Manchete e o slogan do SBT ainda era "quem procura acha aqui". Eu sou do tempo em que pasta de dente vinha em tubinho de metal e o Airton Senna ainda ganhava corrida de Fórmula Um.

Eu sou do tempo em que as compras do supermercado vinham em sacolas de papel, e tinha vários tamanhos pra escolher. Sou do tempo também que, quando não dava tempo de ir do mercado, a gente preciava só de alguma coisinha ou precisava "marcar", a gente ia no seu Zé, seu Antônio. Lá, o arroz, o feijão e a farinha ficavam expostos, a gente pegava com uma canequinha e pesava. Neste tempo, a gente votava em papelzinho. Mas eu ainda não tinha idade, então eu só marcava o xizinho pra a minha mãe (quando dava tempo, eu ia correndo pra a outra sala e marcava para o meu pai também). Até a quinta série eu fazia meus trabalhos e textos na máquina de escrever. Eu fazia jornaizinhos em casa também, com matérias como "cesto de lixo da cozinha pega fogo com palito de fósforo".


por Amelie às 21:20 | 24 comentários

____________________________________________________