Lígia, 24 anos. A pior hora é quando eu lembro que tenho que entrar aqui e atualizar esse número mais uma vez.

Contato/MSN: ligiamelia@hotmail.com

Alquimia do Verbo

Onomatopéia

One Last Run

Um pouco de bossa

Tutameia em Prosa

Amarelo Banana

Champ Vinyl

Champ Chronicles

Me Exorcisa

O Vale de uma Boneca

Isshou

Carolina Villenflusser

Manual do Cafajeste

Te Dou Um Dado

 

Hoje de manhã, encontrei o seguinte aviso colado n...

Fragmento de uma conversa na rua Tabapuã, no Itaim...

Hoje na faculdade, me questionaram quando eu disse...

- Você tem certeza que caiu aqui mesmo no ônibus? ...

Meu gato mia, mia, mia na porta do meu quarto. Um ...

Esse blog está em recesso até eu resolver minha vi...

Eu nasci na primavera, a mais adorável das estaçõe...

Será que dá pra desligar a montanha russa que eu q...

Hoje o dia amanheceu com cara de Natal. O calor se...

E então que eu, ao chegar no prédio da costureira ...

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Setembro 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

Março 2008

Abril 2008

Maio 2008

Junho 2008

Julho 2008

Agosto 2008

Setembro 2008

Outubro 2008

Novembro 2008

*quarta-feira, 6 de dezembro de 2006

Eu sempre gostei muito da música "Octopus's Garden", dos Beatles, e sempre quis saber que diabos era o tal do "jardim de um polvo" e de onde raios o Ringo tinha tirado coisa tão absurda.

Daí ontem chegou meu livro "The Beatles - Letras e Canções Comentadas", que conta a seguinte história sobre a música:

"Lançada no LP Abbey Road, a segunda canção de Ringo foi escrita quando ele se irritou e abandonou o trabalho. A bordo do iate de Peter Sellers, na Sardenha, serviram polvo. Ringo não quis nem experimentar. Na conversa, o capitão do iate comentou que os polvos recolhiam os objetos brilhantes que encontravam no fundo do mar, mesmo se fossem pedras, e levavam todos para o mesmo lugar, que ficava parecendo um jardim. Foi a inspiração para a letra onde ele diz que gostaria de estar no fundo do mar, no jardim de um polvo, na escuridão"

Daí eu fiquei pensando que, antes de ler a tal explicação, nenhuma imagem mental de algum "jardim de um polvo" se formara na minha cabeça ao ouvir a música. Pra mim, até mesmo coisas como "eu sou a morsa" soavam menos psicodélicas.

E lembrei que uma vez, quando eu fiz uma disciplina de História da Cultura - na época em que eu ainda era uma fefeleche - de uma brincadeira que meu professor fez. Ele perguntou para a sala quantos de nós já haviam estado na França. Se não me falha a memória, ninguém. Daí ele pediu para cada um de nós pensar na cidade de Paris e disse que, muito provavelmente, quase todos haviam pensado coisas bem parecidas, como a torre Eiffel ou coisa do tipo.

A conclusão a que ele queria chegar é que, depois do advento da fotografia, do cinema e, principalemente, da televisão, todas as imagens do mundo, sobre qualquer coisa que se possa imaginar, já nos foi mostrado. Pense na Grécia antiga, nas crateras da Lua ou no centro da Terra. Sobre qualquer coisa que se pense, já há uma imagem razoavelmente padronizada.

Quando penso nisso, me sinto tolhida na minha liberdade de imaginação.

Acho que é por isso que eu sempre gostei desta música. Que viagem. Pra quem não conhece, a letra é essa:

I'd like to be under the sea
In an octopus' garden in the shade
He'd let us in, knows where we've been
In his octopus' garden in the shade
I'd ask my friends to come and see
An octopus' garden with me
I'd like to be under the sea
In an octopus' garden in the shade.
We would be warm below the storm
In our little hideaway beneath the waves
Resting our head on the sea bed
In an octopus' garden near a cave
We would sing and dance around
because we know we can't be found
I'd like to be under the sea
In an octopus' garden in the shade
We would shout and swim about
The coral that lies beneath the waves
(Lies beneath the ocean waves)
Oh what joy for every girl and boy
Knowing they're happy and they're safe
(Happy and they're safe)
We would be so happy you and me
No one there to tell us what to do
I'd like to be under the sea
In an octopus' garden with you.


por Amelie às 20:49 | 9 comentários

____________________________________________________