Lígia, 24 anos. A pior hora é quando eu lembro que tenho que entrar aqui e atualizar esse número mais uma vez.

Contato/MSN: ligiamelia@hotmail.com

Alquimia do Verbo

Onomatopéia

One Last Run

Um pouco de bossa

Tutameia em Prosa

Amarelo Banana

Champ Vinyl

Champ Chronicles

Me Exorcisa

O Vale de uma Boneca

Isshou

Carolina Villenflusser

Manual do Cafajeste

Te Dou Um Dado

 

Os cem melhores filmes de todos os tempos de acord...

- Tomara que não chova hoje. - Tomara que dê tempo...

- Eu era tão feio que nem minha mãe me quis! Adot...

Eu sou uma pessoa legal. Eu não jogo papel de sorv...

Quando a gente é jovem acredita em todas as histór...

Vocês já sentiram tanta raiva de alguém a ponto de...

Dicas para se dar bem em seu primeiro estágio:- Co...

Como coisa boa - assim como coisa ruim - vem sempr...

[Vinheta musical do plantão da globo] Este posté ...

Às vezes, em dias como hoje, em que as circunstânc...

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Setembro 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

Março 2008

Abril 2008

Maio 2008

Junho 2008

Julho 2008

Agosto 2008

Setembro 2008

Outubro 2008

Novembro 2008

*sexta-feira, 14 de julho de 2006

Segunda-feira peguei o metrô e desci na estação Penha. Perto da ponte Aricanduva. Estava com pressa para fotografar um professor que eu tinha entrevistado para o estágio, por isso me aventurei a andar naquela coisa claustrofóbica que é o metrô. Na volta, com mais calma, peguei o ônibus. Pra ver o caminho. Esse foi o lugar mais longe na zona leste que eu já fui sozinha. Na estação Penha, já quando estava voltando, perguntei para um vendedor de bilhetes de ônibus onde eu podia pegar um ônibus para o centro. "De Guarulhos?" Não moço,de São Paulo mesmo.

No dia seguinte, fui buscar um DVD que eu comprei pelo Mercadolivre. Eu preferi buscar na casa do sujeito que estava vendendo do que ter que esperar uma interminável semana até que ele chegasse pelo correio. Rua Vergueiro. Hmmm, fácil. Mas eu não sabia que a Vergueiro era tão grande. Número 9000 que, mais tarde, eu fui descobrir que era quase na esquina com a Via Anchieta. Peguei um metrô e mais dois ônibus pra chegar. Na volta, perguntei para um transeunte: "Como faço para chegar no centro?" "De São Bernardo?" Essa não era minha semana de sorte. Até então, porque minutos depois descobri que o ônibus que eu peguei a minha vida inteira, e cujo trajeto eu só conhecia a metade, fazia ponto final atrás do prédio do cara que me vendeu o DVD. 478-P, Pompéia Sacomã.

Enquanto esperava o ônibus, um menino puxou papo comigo. Curioso para saber o que alguém que mora no outro ponto final da linha fazia tão longe de casa. Quando eu expliquei sobre o DVD, ele quis saber tudo sobre o mercadolivre. É bom mesmo? É confiável? Você já vendeu e comprou o que? Se o menino um dia fizer negócio pelo ML, eles vão ter que me pagar comissão. Uma hora e meia depois, eu estava em casa.

Eu gosto de conhecer a São Paulo que não interessa a ninguém. Gosto de pegar ônibus que vão do nada pra lugar nenhum só pra conhecer o caminho. Minha felicidade é proporcional à distância que eu precisarei percorrer, desde que sejam caminhos pelos quais eu nunca passei. Eu ainda vou comprar um mapa da cidade, e riscar todos os lugares para os quais eu já fui. E vou para os lugares que eu nunca fui só para poder riscar.

Gosto bobo. Mas quem não tem o seu que atite a primeira pedra. E outra, se um dia eu falar como jornalista, posso pedir emprego no Guiamais ou na SPTrans.

Ah, o DVD era do filme "Cantando na Chuva". Original. 13 reais e ainda me valeu uma viagem para a Vila Vera.


por Amelie às 21:56 | 7 comentários

____________________________________________________